DIÁRIO DO PAÍS – Contra fatos, não há argumentos!

Terça-feira, 23 de Julho de 2024
Todo mundo odeia George Soros – Por: Jornal El Mundo

Política

Todo mundo odeia George Soros – Por: Jornal El Mundo

Soros é potencialmente mais perigoso do que uma bomba nuclear. Usa seu dinheiro e age nas sombras e com determinação.

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Estamos a falar de uma fortuna superior a 26.000 milhões de euros. Há uma semana, o jornal pró-Israel Algemeiner publicou sem remorso a manchete: “O ódio a Israel se espalha através das Fundações da Sociedade Aberta”. O texto abundava em doações milionárias que a fundação George Soros (também conhecida como Gyorgy Schwartz, Budapeste, 1930) teria feito a diversas organizações “anti-israelenses”, segundo os mais de 2.500 documentos internos da organização veiculados pelo portal DCLeaks no dia 14 de agosto, que, aliás, não se espalharam muito na Espanha. O jornal chamou esses documentos de “ segredinhos sujos de Soros ”. O lobby israelita acredita e espalha que o financista é um perigoso anti-semita e é por isso que o odeia.

Esquerdista, ultraliberal, sociopata, messiânico, conspiratório, malvado... Um supervilão. O autor de A Alquimia das Finanças tornou-se o coringa do público que agita o planeta há cinco décadas.

Como rei das conspirações mundiais, ele estaria por trás da queda do comunismo e do Muro de Berlim, da derrubada de Dilma Rousseff, do tráfico global de drogas, das terapias de choque, da crise dos refugiados europeus, do levantamento do embargo ao Irão e da guerra na Ucrânia. “Por que todo mundo ama Warren Buffett e odeia George Soros?”; é um dos mantras que correm pelo Reddit, Twitter, Quora e outras torrentes de opinião... Vamos ver quem odeia mais.

Leia Também:

NA HUNGRIA ELES O ODEIAM

O escritor judeu Michael Gold disse na década de 1920 que “a América do Norte é tão rica e opulenta porque sofreu a tragédia de milhões de emigrantes”. É isso que Soros pensa hoje sobre as pessoas que povoam a Europa. Em 20 de setembro, Soros publicou uma carta no The Wall Street Journal intitulada: “Por que estou investindo 500 milhões em refugiados”. Soros tornou-se assim o primeiro grande ator privado a responder ao “apelo à ação” de Obama para enfrentar a crise dos refugiados não apenas do lado público. “Vou investir em startups, empresas, iniciativas sociais e outros negócios fundados pelos próprios refugiados”, afirmou.

Mas esta e outras ações pró-refugiados do empresário foram vistas por figuras como o primeiro-ministro da Hungria, o ultradireitista Viktor Orban, como desestabilizadoras. O líder apontou-o como o culpado pela entrada de um milhão de muçulmanos na Europa. Soros é de origem húngara, mas Orban acredita que está por trás dos Clinton e da sua ideia de enfraquecer a Europa, e é por isso que o odeia.

NA RÚSSIA ELES O ODEIAM

Soros não é nem mais nem menos que uma potência global. Como um Estado, como a FIFA e o Google, como um banco de investimento, os traficantes de drogas ou o Partido Comunista Chinês, com os seus aliados e os seus inimigos. Ou como a oligarquia russa. Em 2014, Putin expulsou Soros e as suas organizações do país por apoiarem a Ucrânia.

Ultimamente, ele também é acusado de conluio com a CIA no caso Panama Papers . Para o financista, por seu lado, “Putin é uma ameaça maior para a Europa do que o EI” ( The Guardian , Fevereiro), personagem que não deve ser julgado pelo que diz “mas pelo que faz”, em referência ao bombardeamentos na Síria ou o seu papel na já mencionada guerra na Ucrânia. Na Rússia, Soros está na lista negra dos conspiradores do mal, e é por isso que o odeiam.

NOS EUA ELES O ODEIAM

No último Fórum Econômico Mundial, Soros aproveitou uma entrevista à Bloomberg para acusar Donald Trump e a sua política anti-imigração de fazer “o trabalho do ISIS” nos Estados Unidos. Entretanto, depois de dissecar as fugas de informação do portal DCLeaks, o Tea Party aponta-o como o principal doador de Hillary Clinton para as eleições presidenciais de Novembro. E isso é. Oficialmente, contribuiu com 11,8 milhões de dólares.

Há uma década, no seu livro The Age of Fallibility, Soros atacou virulentamente a política internacional de terror paranóico de George W. Bush. Desde então, o milionário tem sido persona non grata entre os conservadores, uma figura demoníaca que está por trás de tudo o que os americanos fazem de antiamericano, desde o movimento Occupy Wall Street até o mais recente Black Lives Matter. Os republicanos acreditam que Soros pensa e Obama age, e é por isso que o odeiam.

A última conspiração atribuída a Soros é que ele atua como suporte de uma rede secreta de interesses financeiros controlada pelas principais famílias aristocráticas da Europa, incluindo a Casa Real Britânica. Esta rede, conhecida como “Clube das Ilhas”, foi descoberta na semana passada pelo jornalista e escritor Daniel Estulin.

ANTI-DROGAS ODEIAM

Soros é a favor da descriminalização da maconha e de outras substâncias ilegais. Em 2013, a Open Society financiou uma campanha a favor da lei de regularização da cannabis no Uruguai, e nos EUA atribui fundos à ONG Drug Policy Alliance e ao gabinete do Governo para a América Latina, que participa na Comissão Global sobre Política de Cannabis - Drogas. Alguns estimam sua contribuição para esta “cruzada” em até US $ 80 milhões em 20 anos.

Soros pensa que manter as drogas fora da lei prejudica o sistema. Além disso, a marijuana é um negócio imenso que está a desenvolver-se muito rapidamente nos Estados Unidos - e que poderia criar milhares de empregos legais em Espanha e gerar receitas fiscais - onde 42 estados a legalizaram para uso médico.

Nos EUA, alguns grupos proibicionistas como o Sam Action - apoiado por vários congressistas conservadores - os lobbies do álcool e do tabaco, grande parte do setor farmacêutico, os sindicatos da polícia, dos trabalhadores das prisões privadas e dos guardas prisionais, a Liga de Correcções da Califórnia e a poderosa ONG prisional A Corrections Corporation of America (www.cca.com) identificou Soros como seu principal inimigo e o odeia.

OS NEGADORES DA MUDANÇA CLIMÁTICA ODEIAM

A Open Society Foundations (39 países e um orçamento anual de 900 milhões de euros) dá liberdade ao pensamento filosófico de Soros, centrado no fato de o capitalismo e a democracia terem de andar de mãos dadas, e no conceito de “sociedade aberta” por ele descrito. O liberal Karl R. Popper, que foi seu professor.

Esta ideia simples entra em conflito com muitas fontes de poder. Duas delas são a indústria pesada e as empresas de eletricidade dos EUA, já que nos últimos anos Soros doou dezenas de milhões para programas governamentais relacionados com as alterações climáticas e cerca de 30 milhões de dólares para a Aliança para a Protecção do Clima, que lidera o ex-vice-presidente Al Gore, e é por isso que eles o odeiam.

NA IGREJA ELES O ODEIAM

Ninguém descreveu melhor o mal que o financista húngaro irradia do que o autor do best-seller Jim Denney em The New Reagan Revolution (2011): "Soros é potencialmente mais perigoso do que uma bomba nuclear. Usa seu dinheiro e age nas sombras e com determinação. Usa o seu dinheiro e poder para manipular a nossa economia e o nosso sistema político. Um míssil nuclear pode destruir uma cidade.

Um dos campos de atuação recentes das Open Society Foundations é a Igreja Católica. Soros financiou a visita do Papa Francisco aos EUA com 650.000 dólares em Setembro de 2015. Os padres da igreja polaca afirmam que ele procura demonizá-los apoiando grupos LGBT, pró-eutanásia e pró-aborto. Na Irlanda, alguns bispos pró-vida prevêem que ele arderá no inferno por contribuir com um milhão de dólares para o movimento a favor do aborto.

Nos EUA, meios de comunicação ultracatólicos como LifeSite.com acusam a OSF de apoiar os "bispos radicais" menos alinhados com a hierarquia e de apoiar grupos críticos do aparelho nos EUA, como Catholics for Choice, Catholics in Alliance for the Bem Comum e Católicos Unidos. Os católicos ultraconservadores acreditam que Soros é um ateu militante desestabilizador e é por isso que o odeiam.

Este artigo apareceu primeiro no Jornal EL MUNDO e foi traduzido do Espanhol para o Português pelo DIÁRIO DO PAÍS.

 

Redes sociais do DIÁRIO DO PAÍS® no Instagram:

@portaldiariodopais

@brunodelimabr

 

Siga-nos no Threads:

https://www.threads.net/@portaldiariodopais

https://www.threads.net/@brunodelimabr

 

Baixe o aplicativo gratuito do DIÁRIO DO PAÍS para celulares Android no Google Play:

https://play.google.com/store/apps/details?id=news.diariodopais.appdiariodopais

 

***

Em tempos de desinformação, o DIÁRIO DO PAÍS continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais comprometidos com a verdade, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Compartilhe nosso conteúdo.

Acompanhe o nosso site: www.diariodopais.com.br redes sociais: @portaldiariodopais . Você logo irá notar que somos um jornal único. O DIÁRIO DO PAÍS defende os valores Cristãos, a família, o conservadorismo e a tradição, a dignidade da pessoa humana, o liberalismo, a liberdade, os direitos humanos, a justiça e a paz, além de uma sociedade mais justa e humanitária.

Colabore financeiramente com o jornalismo independente do DIÁRIO DO PAÍS via PIX. Chave e-mail: [email protected]

 

Vamos juntos fortalecer a luta por um mundo melhor?

 

FONTE/CRÉDITOS: EL MUNDO
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): Reprodução
Comentários:
Bastidores da Política

Publicado por:

Bastidores da Política

Tudo sobre política com a credibilidade do DIÁRIO DO PAÍS - Contra fatos, não há argumentos! E-mail: [email protected]

Saiba Mais
King Pizzaria & Choperia
King Pizzaria & Choperia

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal Diário do País+

Leia matérias e colunas exclusivas, anuncie no guia comercial e +. Grátis!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )

SiteLock